Rafael Cortez: "Eu fui no Trio Elétrico de Ivete Sangalo e aviso: é sensacional!"

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013




"Semana passada, ao notar que teria uma folguinha antes de minhas gravações na Record, decidi ir a Salvador para UMA noite só de folia carnavalesca. Queria, pela primeira vez na vida, seguir um Trio Elétrico. Mas queria o melhor, o que faz a cabeça da galera. E é claro que esse é o trio de Ivete Sangalo!
Escrevi para a Ivetão, meio certo que nessa correria de Carnaval ela não veria minha mensagem direta no Twitter. Um dia depois ela responde, “venha!”, passa um contato da irmã e diz para eu ajeitar tudo com ela. Dito e feito, falo com a Cinthia, que é bem parecida com Ivete e tem a mesma alegria. Ela me conta que ficarei em cima do trio, com a artista, banda e convidados! Sensacional! Minha amiga Bianca Manzini, veterana da folia soteropolitana, é a sortuda que ganha essa regalia comigo...
Em Salvador, numa tarde quente de sábado, eu e Bianca chegamos na casa de Cínthia, que nos recebe como velhos conhecidos. De lá, vamos de van com ela, sua filha, alguns amigos e parte da equipe para o local de onde sai o trio de Ivete. Chegando, a própria Ivete está entrando no veículo gigante, rodeada de seguranças, mas cheia de carinho e acenos para todo mundo. Entramos em seguida, e me pedem para esperar um pouco que Ivetinha, como lhe chama a família, vai me receber no camarim antes de começar a trabalhar.
A porta se abre, me mandam entrar, e é aquela festa. Ivete Sangalo tem essa coisa maluca de fazer todo mundo se sentir à vontade, e me abraça e é carinhosa como em todas as vezes em que a entrevistei no CQC. Ela faz o mesmo com a Bianca e com todos à sua volta, deixando sua simplicidade aflorar a cada instante. Piadas daqui e dali, logo ela pára e fica séria. É a hora da reza com os músicos e toda equipe de apoio antes do show, e Bianca e eu fazemos menção de sair. Ela pede que fiquemos para participar daquilo, e o ritual se torna um tremendo presente para nós! É emocionante lembrar como foi bonito, como a equipe estava compenetrada de mãos dadas, como tinha energia nas palavras de Ivetão. Ao “Pai-Nosso” e à “Ave-Maria” seguem-se palavras motivacionais, algumas instruções sérias a todos, e uma quebra de protocolo divertida até mesmo para Deus, quando Ivete nos lembra que “vai botar pra fuder”, haha! Ela pode, e ela está certa disso. Tudo em sua fala exala confiança, liderança, positividade e garra. Acaba a oração e ela bota os músicos para fora com carinho, sacaneando todo mundo, apertando os barrigudos e distribuindo piadas. Eu e Bianca subimos pro Trio para ver o espetáculo começar.



Lá em cima, que foda... Milhares de pessoas em volta, um tremendo dia pela frente. Ivete Sangalo sobe sem achaques de estrela, sem banda começando antes, sem anúncio. De posse do microfone, saúda a galera, lembra que é para todo mundo se divertir com responsabilidade, agradece algumas pessoas, fala com todos como uma velha conhecida. E a festa começa com sua música de trabalho, “Dançando”. A galera vai ao delírio, e até eu, que nunca fui um graaaande fã do Carnaval, arrisco também alguns passos desajeitados com essa ginga de boneco de pano dentro da máquina de lavar que Deus me deu!
O que rolou em seguida foi aquilo que vocês podem imaginar. Uma maluquice coletiva, as pessoas ensandecidas acompanhando o trio, todo mundo dançando e cantando junto. Em dado momento, a organização do carro abre a frente do veículo para os convidados de Ivete, algumas pessoas de TV, amigos e eu, imaginem só... A visão fica mais privilegiada. Do alto do Trio Elétrico vê-se a multidão na dianteira, os camarotes nas laterais do circuito Barra-Ondina, centenas de milhares de pessoas saudando Ivete, mostrando cartazes, subindo em árvores, altos de morros, varandas, dependurando-se em janelas, tudo para ver a artista um pouco mais de perto e, melhor ainda, receber dela um aceno que seja!
O mais surpreendente em toda essa experiência é ver Ivete Sangalo no palco. Nada, nada lhe escapa. As pessoas não acreditam na “show-woman” que canta hits e que é do povo e fala como o povo. É surpreendente e gratificante quando Ivetão pára tudo e pede um tempo “para dar uma mijada”! Ela quebra todos os protocolos. Ela é absolutamente simples. Todos ficam de queixo caído com ela, incluindo aqueles que não necessariamente compactuam de seus gostos musicais.
Ao término do espetáculo, que acompanhei até o fim, me despeço de Ivete e juro que não sei como ela consegue. Eu estou morto, imagine ela? Foram mais de 5 horas pulando, cantando, dançando e comandando a massa. Ela fará isso de novo todos os dias do Carnaval. Ela fará mais ainda por muitos carnavais. Ela tem feito isso já há 20 anos, mesmo sendo casada e com um filho pequeno em casa. Ela faz tudo o que faz sem perder o sorriso, a espontaneidade, o carinho, a beleza, a boa forma, a humildade e o CARISMA que só ela tem. Valeu muito a experiência. Obrigado, Ivete! Foi o bicho!"

Rafael Cortez


Equipe do Bem Estação Sangalo

Nenhum comentário:

Postar um comentário