Coluna "Sentimento de Fã", por Ramon Odriguez

segunda-feira, 1 de setembro de 2014


#Episódio 25(Agosto/2014): "O nome disso é 'IS20'!"

Caro (a) leitor (a), neste episódio vou confessar uma coisa a vocês: o autor que vos fala AMA improvisos. Sabe quando um amigo chama pra sair do nada, todos se arrumam rapidinho, se encontram num lugar, decidem na hora o que vão fazer e acaba sendo maravilhoso? Ou, quando algum evento gigantesco é planejado e algo fora do comum acontece, e os organizadores precisam na hora fazer algo que contorne a situação? Então, eu adoro isso! Quando o desfile da escola de samba não corre perfeitamente - não que eu fique rogando praga na frente da TV - quando uma pirotecnia de um megashow não dá certo, quando uma versão especial de uma música é tocada, sem ensaio prévio. Acho que vocês já me entenderam e sabem onde eu quero chegar, né?

O show que Ivete Sangalo fez ontem é um exemplo claro do improviso, do imprevisto, d "fora dos planos". Quem viu as primeiras fotos dela no Facebook sabem como ela entrou no show. Linda, com o cabelo liso, maquiagem carregada no ponto, figurino que contorna o corpo da cantora, sapato feito especialmente pra ocasião, um milhão de pessoas no aguardo de uma diva! Aí, como se São Pedro tivesse acordado ontem com a veia cômica saltando, o dia irou noite, e uma tempestade veio abaixo em Nova York, botando todo mundo maluco! Desde a equipe de Ivete, até a polícia de Nova York! O sinal do site G Show e do Multishow não conseguiam mostrar pra quem estava em casa a cena linda, que só quem esteve lá pode ver: Ivete, um milhão de pessoas, a música, e a chuva. Todos unidos, sem nenhuma preocupação, unidos no barato de estarem ali, festejando o fato de sermos brasileiros. 

O improviso veio logo depois: ficou por conta da própria Ivete, que depois das primeiras músicas, recebeu a primeira convidada do show dela: a polícia de Nova York, que subiu no palco para avisar que o show teria que ser paralisado por 15 minutos, por medidas de segurança. Dona Sangalo, como costumo chamá-la por aqui, não saiu do palco e, como sempre, brincou com seu público, que a esperava há quatro anos na Big Apple. Conversou com a plateia, com respeito às normas da casa, e ciente da importância que os americanos dão a essas circunstâncias. Enquanto isso a equipe de transmissão se matava para fazer o sinal chegar aqui. E o cabelo liso? E a make? E o sapato? E o figurino? Não importava mais! Como a água sempre faz, lavou-se tudo, e todas as convenções se quebraram. Ivete estava ali, de alma nua, e após a autorização da polícia, fez quase duas horas de show, ainda pensando em como lidar com um palco encharcado, com Thiago Abravanel e Saulo Fernandes.

Mais do que um problema no desfile da escola de samba, mais do que uma pirotecnia que não funciona em um megashow, eu gosto quando sabem contornar bem uma situação. E Ivete fez isso ontem. E mais do que ser engraçada, mais do que ser carismática, o motivo desse jogo de cintura todo foi a experiência, de quem tem 20 anos de carreira. Ivete Sangalo, 20 anos. IS20.


Ramon Odriguez

Nenhum comentário:

Postar um comentário